A MELHOR ATALANTA DE TODOS OS TEMPOS

Atalanta bateu o recordes de pontos do clube na Serie A no primeiro turno (Foto: Repubblica)
Um conto de fadas. Assim pode ser definido o primeiro turno da Atalanta na Serie A. Comandados pelo experiente Gian Piero Gasperini, a equipe formada por vários jovens talentos das reconhecidas categorias de base de Zingonia venceu a desconfiança e um início de temporada ruim para entrar na história do clube. Com 35 pontos e ocupando a sexta colocação, os neroazzurri bateram o recorde histórico e fizeram a melhor primeira metade de campeonato de todos os tempos da Atalanta, colocando a equipe na briga pelas competições europeias.

Para começar, é preciso entender a montagem do elenco. Depois de uma temporada irregular, mas segura em 2015/2016, o presidente Antonio Percassi decidiu demitir o técnico Edoardo Reja, que não conseguiu levar o time ao patamar esperado, que seria brigar na metade superior da classificação. O escolhido para remontar o elenco neroazzurro foi Gian Piero Gasperini, técnico experiente, conhecido pelo estilo ofensivo e que vinha de três temporadas seguidas no comando do Genoa. O grande "achado" do último campeonato foi o volante Marten de Roon, contratado junto ao Heereveen, da Holanda, por  € 1,3 milhão, e negociado com o Middlesbrough, da Inglaterra, por € 15 milhões. Com dinheiro em caixa, a diretoria do clube resolveu renovar o elenco e apostar, principalmente, em jovens jogadores das categorias de base. Com isso, atletas como os atacantes Marco Borriello e Alessandro Diamanti não tiveram os contratos renovados e o experiente meia Luca Cigarini foi para a Sampdoria.

Sem de Roon e Cigarini, a grande dúvida era como seria montado o meio campo. Com o dinheiro da venda do volante holandês, a Atalanta investiu no ataque. O bergamasco Alberto Paloschi, com passagem de destaque pelo Chievo, foi contratado junto ao Swansea City, que disputa a Premier League. Também chegaram o zagueiro Ervin Zukanovic, da Roma; Abdoulay Konko e o goleiro Etrit Berisha, da Lazio; os atacantes Aleksandar Pesic, do Toulouse; e Bryan Cabezas, do Indepediente del Valle; além do volante ex-atalantino Alberto Grassi, do Napoli; e o meia Leonardo Spinazzola, da Juventus. Além das contratações, a Atalanta também decidiu apostar em jogadores que já pertenciam ao clube e estavam emprestados a times da Serie B, como Mattia Caldara e Frank Kessie (Cesena) e Andrea Petagna (Ascoli).

Kessie foi uma das apostas da Atalanta (Repubblica)
O começo da temporada não foi nada animador. Como de costume, Gasperini não teve medo de rodar o elenco e trocar o esquema tático a cada partida, mas os resultados continuaram não aparecendo. Foram quatro derrotas nas cinco primeiras rodadas e três pontos conquistados em 15 disputados. O desempenho ruim chegou a fazer a imprensa local especular sobre a demissão do treinador. O nome de Stefano Pioli, ex-Lazio e atualmente na Inter, chegou a ser cotado. Adepto dos três zagueiros, Gasp até testou quatro defensores na vitória diante do Torino, na terceira rodada. Grande aposta para a temporada, Paloschi não marcou nenhum gol com a camisa da Atalanta até hoje e o papel de protagonista coube ao jovem Frank Kessie, de apenas 19 anos. O volante marfinense não sentiu a pressão de jogar pela primeira vez na Serie A e marcou três gols nas três primeiras partidas do clube. A versatilidade do atleta se sobressaiu até mesmo no período ruim do time. Com muita velocidade, força física e sem medo de atacar, Kessie se tornou uma das grandes joias dessa nova Atalanta. Um volante moderno, que, ao lado de Roberto Gagliardini, de 22 anos, ocuparam praticamente todas as posições do meio campo, tanto defensivamente, como ofensivamente. A intensidade que os dois impõe para conduzir o time à frente e a recomposição rápida para defender foram algumas das principais características dos dois jovens jogadores, que se completam dentro de campo. Não por acaso a Inter investiu € 22 milhões em janeiro para tirar Gagliardini da Atalanta. Essa foi a maior negociação da história do clube.

Kessie na meia direita contra o Bologna (Foto: Corriere dello Sport)
Gagliardini na meia esquerda contra o Bologna (Foto: Corriere dello Sport)
Mapa de atuação de Kessie e Gagliardini juntos contra o Bologna (Foto: Corriere dello Sport)

O duelo contra o Crotone, pior equipe do campeonato, foi um divisor de águas, na sexta rodada. A Atalanta entrou em campo pressionada pelos maus resultados e um placar negativo poderia significar a demissão de Gasperini. No entanto, os neroazzurri aproveitaram a fragilidade do adversário para vencer com facilidade por 3 a 1. O triunfo marcou o início de uma arrancada histórica que fez a Dea quebrar o próprio recorde de pontuação no primeiro turno. Foram nove jogos seguidos sem perder, com incríveis 25 pontos conquistados de 27 disputados. Com vitórias diante de rivais importantes, como Napoli, Inter e Roma, além de um bom empate fora de casa diante da Fiorentina.

Gasperini acertou a Atalanta (Repubblica)
Gasperini saiu de besta para bestial em um passe de mágica e caiu nas graças da torcida. O treinador conseguiu fazer com que os jogadores assimilassem perfeitamente seu estilo preferido, que caiu como uma luva em Bérgamo. O time base começa a jogar no 3-4-2-1, com dois alas abertos no meio campo e dois pontas no ataque. Com muita intensidade e velocidade na recomposição, é comum que o esquema se transforme em um 5-4-1, com os dois alas fechando nas laterais e os pontas voltando para formar a primeira linha de marcação no meio campo. Por outro lado, com a mesma velocidade e troca de passes rápidos, a tática pode variar para um 3-4-3 extremamente ofensivo com a movimentação dos atletas pelos lados do campo.

Papu Gomez é o principal jogador da Atalanta (Repubblica)
O treinador atalantino não tem medo de testar. E quando o time está dando certo, as coisas tendem a dar certo também. Pela ala direita, Conti evoluiu bastante desde a última temporada. A força ofensiva sempre foi seu forte, mas conseguiu melhorar consideravelmente na defesa. Pelo mesmo lado, Gasperini testou até mesmo o brasileiro Rafael Tolói como peça surpresa para atacar. Do outro lado, Dramé começou a temporada como titular, mas, depois de uma lesão, perdeu o lugar para Leonardo Spinazzola que, apesar de ser destro, faz uma ótima tabela com o argentino Alejando "Papu" Gomez pelo setor. Aliás, Papu se consolidou como principal jogador da Atalanta. Com uma canhotinha de ouro, o camisa 10 atua espetado na ponta esquerda e, com muita habilidade e velocidade, deixa os rivais malucos. Uma das principais jogadas do baixinho é costurar a marcação na entrada da área e puxar para chutar da entrada da área. O jogador revelado pelo Arsenal de Sarandí também tem capacidade de inverter para o lado oposto e não tem medo de arriscar finalizações de fora da área e com o pé direito.

Rafael Tolói também testado como opção ofensiva contra o Milan (Foto: Corriere dello Sport)

Atuação de Papu Gomez contra o Empoli (Foto: Corriere dello Sport)

Também é importante destacar como Gasperini conseguiu extrair o melhor futebol do volante Jasmin Kurtic. O esloveno, com passagens por Palermo, Sassuolo, Torino e Fiorentina, era conhecido como um jogador "cintura dura", um meia para destruir os adversários. De fato, Kurtic é meio desengonçado, mas o treinador atalantino tem todos os méritos em observar que o cabeça de área poderia atuar mais à frente. E foi assim que o esloveno conseguiu render seu melhor futebol na carreira, às vezes quase como um ponta, com liberdade para atacar, mas, ao mesmo tempo, compondo a primeira linha de marcação quando a Atalanta não tem a bola. Dessa forma, e explorando a força do jogo aéreo, Kurtic já tem cinco gols no campeonato. Ele nunca havia marcado tantos gols em uma temporada antes.

Kurtic na facha central do meio contra o Bologna (Foto: Corriere dello Sport)
Kurtic variando entre as duas pontas contra a Inter (Foto: Corriere dello Sport)
Caldara chamou a atenção na defesa (Repubblica)
Com pelo menos quatro bons zagueiros no elenco, Gasperini decidiu fazer um esquema de rodízio. A mistura de experiência com juventude tem dado muito certo em um dos setores mais criticados nos últimos anos. Rafael Tolói, Andrea Masiello e Ervin Zukanovic são bons no combate, mas precisam de proteção para atuarem mais tranquilamente. Apesar da boa técnica, o trio é facilmente batido no mano a mano. O quarto elemento é Mattia Caldara. Com apenas 22 anos, o jogador retornou depois de empréstimos ao Cesena e Trapani, na Serie B, e simplesmente ganhou a posição no centro da área. As atuações firmes e a boa saída de bola com os pés chamaram a atenção da Juventus, que já contratou o zagueiro em uma transição que pode chegar a € 21 milhões. Gian Piero Gasperini costuma montar suas equipes com três zagueiros e na Atalanta não foi diferente. Dessa forma, o trio defensivo tem mais proteção do meio campo e, principalmente, dos alas Andrea Conti e Leonardo Spinazzola, que fecham como laterais formando uma parede de cinco jogadores na última linha de marcação.

Petagna tem sido fundamental no ataque (Repubblica)
Finalmente, no ataque mais um jogador jovem chamou a atenção. Gasp começou a temporada apostando em Paloschi, o grande nome da última janela de transferências. No entanto, o atacante bergamasco não conseguiu render bem no esquema do treinador, onde o atacante não é protagonista, com as variações dos meias e alas. Mauricio Pinilla, que não conta com a simpatia de Gasperini, teve poucas oportunidades. Foi então que apareceu Andrea Petagna, de 21 anos. Revelado nas categorias de base do Milan, o centroavante rodou por Sampdoria, Vicenza e Ascoli, antes de chegar a Bérgamo. Depois de fazer dois gols seguidos contra Crotone e Napoli, o atleta ganhou de vez a posição. São quatro, no total até agora. Como dito antes, na Atalanta o atacante não é protagonista. Mesmo sem fazer muitos gols, Petagna tem sido fundamental. Com muita força física e técnica, Petagna tem a ótima capacidade de proteção da bola com o corpo. Não são raros os momentos em que o avançado carrega a marcação com ele e abre espaço para a subida dos meias. Hoje parece impensável que o garoto deixe a posição.

Gasperini começou em baixa, mas soube muito bem aproveitar o material humano que possui, trabalhar com os jovens e colocar na cabeça do elenco que é possível se divertir e ainda sonhar grande. Ele é um treinador que não tem títulos no currículo, mas é conhecido pelo estilo de jogo ofensivo, que caiu como uma luva em uma Atalanta desacreditada e sem perspectiva. A geração certa de jogadores com o treinador certo. O próximo desafio de Gasp é trabalhar para manter a pegada no segundo turno. Sem Gagliardini, negociado com a Inter, e Kessie por um mês, na Copa Africana de Nações, o técnico já disse que precisa de reforços se quiser pensar em Europa. Agora a palavra está com a diretoria, que tem dinheiro em caixa.

Nas próximas postagens, vamos falar sobre a origem desses jogadores que estão chamando a atenção do futebol italiano com a melhor campanha da Atalanta na história do Campeonato Italiano.

0 comentários:

Postar um comentário